Imigração

PORTA ABERTA OU FECHADA PARA OS NOVOS IMIGRANTES ? QUAL O CAMINHO PARA A PROSPERIDADE ECONÔMICA NO QUÉBEC.

Por montrealnareal

direcao quebec

por Rogério Tanganelli. 

Cada vez que sai uma nova notícia sobre imigração o nosso coração aperta. Sei bem como é ficar em espera até que os todos documentos cheguem para então darmos início ao sonhado plano de imigraçao.

Há poucos dias o atual primeiro ministro do Québec, Philippe Couillard, anunciou que a “Belle Province” precisa aumentar o número de imigrantes qualificados no país. A justificativa já conhecemos. A diminuição da população ativa. O resultado é que no futuro, segundo uma parcela que levanta esta bandeira, a província não terá mão de obra suficiente para pagar a aposentadoria dos retirados. Couillard disse que os 50 000 imigrantes atuais por ano não são suficientes para atender a demanda.  O ministro disse ainda que a imigração não é uma escolha e sim uma obrigação do estado. E concluiu  que o Québec precisa estar apto a receber e preparar estes novos imigrantes e integrâ-los ao mercado de trabalho. Obviamente, há quem diga que Couillard só se pociosiona assim como forma eleitoral de abocanhar o voto imigrante.

Philippe Couillard, primeiro ministro do Québec, afirma que é preciso aumentar o número de imigrantes na província.

E é claro, nem todo mundo concorda com esta política de aumento no número de imigrantes. É o que pensam dois pesquisadores Brahim Boudarbat da Université de Montréal e Gilles Grenier da Université d’Ottawa.Eles produziram um documento no fim do ano passado que se intitula “L’impact de l’immigration sur la dynamique économique du Québec” ou ( Impacto da imigração sobre a dinâmica econômica do Québec ) e enviaram ao governo. O estudo afirma que nada prova que a economia do Québec precisa de mais imigrantes para se desenvolver. Eles afirmam que os atuais 50.000 imigrantes são suficientes. Segundo o estudo, a integração dos recém chegados no mercado de trabalho é muito difícil, e 42% dos que dão entrada no benefício social de ajuda aos desempregados, a famosa ( aide social ), são imigrantes.

O documento ainda cita outros estudos, onde existem cálculos que demonstram que o novo imigrante custa caro para os cofres do contribuinte canadense e que o novo residente custa mais ao estado do que retorna como impostos para a nação. 6000 $ por ano em média é o gasto com os “nouveaux arrivants” aos cofres do Canadá.

Como alternativa os pesquisadores dão como sugestão ao primeiro ministro a alteração na idade para a aposentadoria. Um resultado que é claro ao meu ver só resolve o problema a curto prazo.  O autor do estudo afirma ainda que os recém chegados possuem uma performance pior que os atuais trabalhadores e a chegada deles pode representar um fardo no futuro.

Este extrato acima foi retirado da reportagem do Journal de Montreal ( você encontra o link aqui reportagem do Journal de Montreal  ) e traz algumas informações a mais interessantes. Eu ainda não tive acesso ao estudo completo para uma análise mais profunda por isso não posso avaliar o documento no seu contexto geral. Prometo que volto a falar do assunto, mas é fato que faltam dados importantes como veremos.

Segundo o estudo, 86 % dos imigrantes instalam-se em Montreal, a maior cidade do Québec. Uma questão de facilidade, comodidade e oportunidade. Tenho certeza que muitos iriam para outras cidades se o caminho estivesse mais bem construído e claro.

A Taxa de desemprego dos recém-chegados gira em torno de 22% comparativamente aos 7,5% de taxa geral. Aqui uma grande contradição se apresenta. Se o país busca trabalhadores qualificados é preciso mais esforços para integrar este novo trabalhador.

42% da Aide Social está nas mãos dos imigrantes. De novo, não há emprego ou estão selecionando errado quando o assunto é trabalho. Falta mais facilidade na adequeção e equiparação dos diplomas e ordens.

O documento levanta que a África do Norte e o Oriente Médio são as principais fontes de imigrantes do Québec. Particularmente vejo poucos conflitos aqui e a reportagem coloca esta frase sem nenhum juízo de valor. O processo de seleção é igual. São trabalhadores com boa formação. A facilidade da língua é um dos grandes fatores de aproximação, mas os ideias e estilo de vida dos Quebecas parecem divergir um pouco da mentalidade dos imigrantes que chegam do Oriente Médio. É certo que a maioria se integra perfeitamente.

É fato também que algumas questões econômicas não podem deixar de repercutir entre os atores envolvidos na política de imigração.  Muitas indústrias Canadenses e do Québec foram transferidas para países mais pobres, onde a mão de obra é mais barata e a produção mais em conta durante a década de 80 e 90. E este é um setor chave para a adequação e chegada deste novo imigrante. Seria hora de voltar a produção de base? Mais, o Québec está realmente preparado para receber estes imigrantes ? Quais são os critérios de seleção pelas empresas e será que o processo de seleção do Québec está de acordo com o processo de seleção das empresa ? Se o processo trata de modelo de integração de trabalhadores, estaria o Québec alinhado com estes interesses do empresário e do mercado de trabalho ?

O que governos não podem esquecer é que imigrantes não são números declarados no imposto de renda. Ainda que esta matemática fosse desfavorável aos cofres públicos, como mostra o estudo, não vi a reportagem citar os gastos e investimentos na economia do Québec por parte dos imigrantes. Compra de casa, aluguel, serviços de telefonia e internet, alimentação, investimento na educação do país com inscrições em universidades, turismo, lazer, vestimenta, carros, transporte e por aí vai. Imigrantes fazem a mola girar e com muito dinheiro. Entretanto, uma economia não se baseia em números. Ela se baseia em administração de recursos. Este é o princípio da economia. Se o Québec quer uma intergração inteligente precisa parar de olhar números e olhas pessoas. O estudo também não traz os benefícios sociais, culturais e de imagem para uma nação que privilegia o multicuturalismo. Quanto vale o aporte cultural dos imigrantes e suas tradições e culturas. Além destas questões econômicas acima o Québec precisa realizar questões de valores. E precisa tomar cuidado para não cair no discurso fácil do xenofobismo e do racismo que só promovem a separação social.

Textos relacionados

Vidas na Real – O relato de quem vive em Mon... O Montreal na Real inaugura com a família Oliveira o novo quadro do canal. Além das reportagens, você acompanha a partir de hoje as aventuras e histórias de brasileiros e gente do mundo inteiro que veio desbravar as terras geladas do Canadá. Então fique à vontade. Assista, compartilhe e opine. E se você está em Montreal, envie para nós sua sugest...
Mudança de última hora nas regras de imigração Qué... Não satisfeito com todo o estresse que envolve fazer um pedido de visto de imigração, hoje (05/01), data em que disponibilizou o sistema online do processo de trabalhador qualificado, o Ministério da Imigração Diversidade e Inclusão do Québec resolveu colocar ainda mais lenha nessa fogueira anunciando alterações na forma de análise dos pedidos. ...
Estudando sobre países para imigrar Na primeira postagem que fiz (você confere aqui  no Montreal na Real) comentei sobre a parte de riscos que envolvem o processo de imigração. Eu particularmente falarei bastante sobre o processo para imigrante residente permanente na província do Quebec, contudo muito do que escrevo vale para estudantes e turistas em diversas situações. Assim que...
Sobre a realização de sonhos – 1 ano depois... Esse é um texto sobre meu primeiro ano nas terras geladas do Canadá que publiquei no meu blog pessoal (Rumo ao Sonho). Mas como a maioria das pessoas que acessa o Montreal na Real está no início dessa jornada pela imigração, resolvi compartilhar aqui também. Deixo claro que é um relato extremamente pessoal e a minha visão desses últimos 365 dias co...

Sobre o autor

montrealnareal

Facebook Twitter

A vida como ela é no lado francês do Canadá! Programas de rádio, vídeos, textos, produzidos por jornalistas, como participação de especialistas! No ar desde julho de 2014.


Comentários 1

  1. Pingback: Cortes nos cursos de integração aos imigrantes. Motivo de preocupação? | Montreal Na Real

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.